mesa A casa

A comunhão no partir do pão na mesa: uma prática bíblica e familiar

A comunhão é um dos aspectos mais importantes da vida cristã. Ela significa ter uma relação íntima e sincera com Deus e com os irmãos na fé. Ela envolve compartilhar as alegrias e as tristezas, as bênçãos e as dificuldades, os sonhos e os desafios. Ela também implica em demonstrar amor, cuidado, respeito e serviço uns aos outros.

Uma das formas mais significativas e simbólicas de expressar a comunhão é o partir do pão na mesa. Essa prática remonta aos tempos bíblicos, quando Jesus e seus discípulos celebravam a ceia do Senhor, lembrando a sua morte e ressurreição. O pão representa o corpo de Cristo, que foi entregue por nós, e o vinho representa o seu sangue, que foi derramado por nós. Ao participarmos dessa cerimônia, estamos proclamando a nossa fé em Cristo e a nossa união com ele e com os demais membros do seu corpo, que é a igreja.

Mas o partir do pão na mesa não se limita à celebração da ceia do Senhor. Ele também pode ser praticado no cotidiano, nas refeições em família, nos encontros fraternos, nas visitas aos necessitados. O partir do pão na mesa é uma oportunidade de agradecer a Deus pelo seu sustento, pela sua provisão, pela sua graça. É também uma oportunidade de conversar, de ouvir, de aconselhar, de encorajar, de edificar. É uma oportunidade de fortalecer os laços de amor e de amizade, de resolver os conflitos e de perdoar as ofensas, de alegrar-se com os que se alegram e de chorar com os que choram.

O partir do pão na mesa é, portanto, uma prática bíblica e familiar, que traz benefícios para a nossa vida espiritual e relacional. Vejamos alguns exemplos bíblicos que ilustram esses benefícios:

  • O partir do pão na mesa é um sinal de hospitalidade e de acolhimento. Em Gênesis 18, lemos que Abraão recebeu três visitantes em sua tenda, que eram anjos enviados por Deus. Ele os convidou para ficar e lhes preparou uma refeição, que consistia em pão, carne e leite. Ele os serviu debaixo de uma árvore e ficou de pé ao lado deles, enquanto eles comiam. Nessa ocasião, ele recebeu a promessa de que teria um filho com Sara, sua esposa, mesmo sendo ambos idosos. O partir do pão na mesa foi uma forma de Abraão demonstrar respeito e generosidade aos seus hóspedes, e de receber a bênção e a revelação de Deus.
  • O partir do pão na mesa é um sinal de reconciliação e de restauração. Em Gênesis 43, lemos que José, que havia sido vendido como escravo pelos seus irmãos, tornou-se governador do Egito e recebeu a visita dos seus irmãos, que vieram comprar mantimentos por causa da fome. Ele os reconheceu, mas eles não o reconheceram. Ele os tratou com dureza, mas também com bondade, e os convidou para almoçar em sua casa. Ele os assentou à mesa de acordo com a sua idade, e lhes serviu porções generosas de comida, especialmente para Benjamim, seu irmão mais novo. Nessa ocasião, ele se emocionou e chorou, mas ainda não se revelou a eles. O partir do pão na mesa foi uma forma de José testar o caráter e o arrependimento dos seus irmãos, e de preparar o caminho para a sua reconciliação e restauração.
  • O partir do pão na mesa é um sinal de comunhão e de alegria. Em Lucas 24, lemos que dois discípulos de Jesus estavam caminhando para Emaús, tristes e desanimados, por causa da morte de Jesus. Eles foram abordados por um estranho, que era o próprio Jesus ressuscitado, mas eles não o reconheceram. Ele lhes perguntou sobre o que estavam conversando, e eles lhe contaram sobre os acontecimentos recentes em Jerusalém. Ele então lhes explicou as Escrituras, mostrando que era necessário que o Cristo sofresse e ressuscitasse. Eles chegaram à aldeia, e ele fez como que ia seguir adiante, mas eles o constrangeram a ficar com eles. Ele entrou na casa deles e se pôs à mesa com eles. Ele tomou o pão, deu graças, partiu-o e lhes deu. Nesse momento, os olhos deles se abriram, e eles o reconheceram. Ele, porém, desapareceu da presença deles. Eles se levantaram e voltaram para Jerusalém, onde encontraram os outros discípulos, e lhes contaram o que havia acontecido. O partir do pão na mesa foi uma forma de Jesus se revelar aos seus discípulos, e de lhes dar comunhão e alegria.

Esses exemplos nos mostram que o partir do pão na mesa é uma prática que agrada a Deus e que edifica as pessoas. Ela nos aproxima de Deus e uns dos outros. Ela nos faz lembrar do que Deus fez por nós em Cristo, e do que ele quer fazer em nós e através de nós. Ela nos faz crescer na graça e no conhecimento de Deus, e nos faz frutificar em boas obras. Ela nos faz experimentar o reino de Deus, que é justiça, paz e alegria no Espírito Santo.

Por isso, devemos valorizar e cultivar o partir do pão na mesa, tanto na igreja quanto na família. Devemos fazer das nossas refeições momentos de gratidão, de diálogo, de ensino, de encorajamento, de perdão, de consolo, de celebração. Devemos convidar outras pessoas para participar conosco do partir do pão na mesa, especialmente os que não conhecem a Cristo, os que estão afastados da igreja, os que estão passando por necessidades. Devemos aproveitar essas oportunidades para compartilhar o evangelho, para testemunhar do amor de Deus, para servir ao próximo, para fazer discípulos.

Que o Senhor nos abençoe e nos ajude a praticar o partir do pão na mesa, para a sua glória e para o nosso bem.

2 comentários em “A comunhão no partir do pão na mesa: uma prática bíblica e familiar”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *